23/10/2010

O Mago de Terramar



Quando eu me encantei com os livros de fantasia, minha mãe não chegou a ficar desapontada, mas acho que ela esperava que eu fosse me dedicar a uma literatura 'de melhor qualidade' - qual é a desse povo? Por que é que fantasia tem que ser literatura menor?

Mas enfim. Aí eu me lembro que ela apareceu com esse livro e falou, olha, esse é um livro de fantasia bom mesmo, vale a pena.
E por incrível que pareça, porque geralmente eu tenho birra com os livros que ela me recomenda, eu acabei lendo.

E é um dos meus livros favoritos no mundo inteiro.

Logo no início ficamos sabendo que Gavião foi o mago que mais viajou em toda Terramar, além de ser considerado por muitos como o maior mago de todos. Mas que essa é uma história de antes dele sequer ficar famoso.

E entramos de cabeça num mundo mágico porém duro, fantástico porém comum, grandioso porém caseiro. A autora consegue, como nenhuma outra, em minha opinião, descrever o ambiente de fantasia de forma perfeitamente normal, sem grandes explosões ou fogos de artifício.
A magia em Terramar existe, óbvio. Mas fazer magia não é nem fácil nem tranquilo. E Gavião logo descobre que a ambição dos magos nunca leva a nada de bom.

E o leitor, que foi atrás de mais uma história de um garoto com poderes mágicos que foi para uma escola de bruxos, de repente se depara com uma longa perseguição sem esperança por mares ermos atrás de monstros desconhecidos. E uma trama onde não há vilão. E onde a magia é contemplação e nomenclatura.

Os elementos da fantasia estão todos lá. A moça sedutora, o vilão que quer ver o herói se da mal, o mentor, e até um dragão fodástico de bônus. E no entanto não estão todos lá, porque o local de cada um dos elementos da trama é completamente diferente daqueles atribuídos a eles numa narrativa tradicional.

E é tudo tão diferente dos livros de fantasia jamais escritos que até hoje, anos depois de tê-lo lido pela primeira vez, fico impressionada como ninguém pensou nisso antes (e nem depois).

O Mago de Terramar é uma obra prima da literatura fantasiosa e mundial, que deve ser lido por qualquer pessoa que goste de ler. Infelizmente não está disponível no Brasil (foi feita uma tradução dos dois primeiros livros da série há muitos anos, e é a que eu tenho, mas está esgotada na editora sem previsão de reedição). Existe, no entanto, uma tradução em Portugal que inclui todos os livros da série. Procurem. Vale muito a pena!

PS: claro que escolhi a capa porque é ROXA!, mas reparem na pegada Sci-Fi da ilustração. Isso é provavelmente porque a autora é uma das escritoras mais famosas de ficção científica da sua geração. E que dificuldade pra achar uma ilustração de capa legal = livros nos anos 60 eram feios. =P

Título Original: A Wizard of Earthsea (1968)
de Ursula K. Le Guin (EUA)
Série Terramar Livro 1

3 comentários:

  1. Oiii!
    Ahhh eu tbm sou fã de fantasia. Aliás, estou em uma fase de literatura fantástica. No momento estou lendo O Nome do Vento e amando. Não conheço esse livro,mas vou procurá-lo agora. Preciso tê-lo na minha coleção.
    Adorei a dica e sua resenha ficou perfeita. Parabéns!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Você sabe se há o livro em português? Já li, mas não sei se devo fazer uma resenha...

    ResponderExcluir
  3. Oi, David,
    eu sei que existe o livro em português de Portugal. Da última vez que olhei, a editora que publica no Brasil estava com ele esgotado, mas não sei te dizer se até hoje é assim.
    Obrigada pelo comentário!

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails